Postagens

Mostrando postagens de 2016

Resumo da UNIDADE A do livro Fonética e Fonologia do Português Brasileiro

Resumo da UNIDADE A do livro Fonética e Fonologia do Português Brasileiro, de Izabel Christine Seara, Vanessa Gonzaga Nunes e Cristiane Lazzarotto-Volcão
Johnatas Silva O capítuloI da UNIDADE A do livro Fonética e Fonologia do Português Brasileiro, traz de início o objeto de estudo da Fonética e da Fonologia, bem como a distinção que há entre elas. Para as autoras, “tanto a fonética quanto a fonologia investigam como os seres humanos produzem e ouvem os sons da fala” (p. 11), sendo a Fonética responsável por estudar esses sons a partir dos órgãos que os produzem e a Fonologia responsável por estuda-los de forma sistemática e organizada dentro de cada língua específica. O capítuloII aborda Fonética Articulatória. Trata-se de identificar quais os órgãos articuladores da fala. É apresentado então o aparelho fonador – conjunto de órgãos responsáveis pela produção dos sons da fala (boca, nariz, língua, pulmões, laringe, faringe, traqueia, etc). Esses órgãos, chamados também de articuladores, …

Diário de Leitura do Livro "Terra Sonâmbula" - Mia Couto

Registros da Leitura do Livro “Terra Sonâmbula” de Mia Couto Durante toda a disciplina de Teoria e Prática da Leitura, foi-nos dada a missão de fazermos um diário de leitura. Esse diário consiste no registro de nossa trajetória de leitura da obra escolhida, no meu caso “Terra Sonâmbula”, de Mia Couto; bem como nossas impressões e até mesmo críticas. Sendo assim, deixarei aqui o que me aconteceu nesses dias de leitura. Primeiro dia: 11 de outubro de 2016. Neste meu primeiro dia de registros no meu diário de leitura, a sensação é de expectativa para saber quais serão minhas experiências no decorrer da jornada, e ansiedade para descobrir o que o texto irá me revelar. Acredito que será uma leitura prazerosa, visto que o autor da obra, Mia Couto, é um gigante da literatura contemporânea. Já lendo as primeiras páginas do primeiro capítulo, percebo um vocabulário e uma estrutura sintática diferentes do que estou habituado. Previ que seria assim porque a obra é redigida originalmente em portuguê…

CRÔNICA - As Gostosas Águas do Lago do Miriti

CRÔNICA As Gostosas Águas do Lago do Miriti Aqui na famosa Orla do Miriti, do ponto seu ponto mais alto – o mirante –, contemplo o balanço das turvas águas do lago do Miriti. Estão turvas porque é época de seca, mas quando a cheia vem, elas se tornam negras e brilhantes aos raios do sol. Toda essa visão me remete um período ímpar da minha vida: infância. É como se estivesse acontecendo neste exato momento. Os passos acelerados de uma garotada que adorava pular n’água, o grito forte dizendo “quem pular por último é a manja”, as gargalhadas estridentes... Meu Deus, aquilo sim era alegria pura! Eu, particularmente, não via a hora de sair da escola, jogar um bom futebol no campinho atrás de casa e depois ir tirar o suor nas gostosas águas do Miriti. Isso era durante a semana, porque aos domingos o “point” era aqui mesmo, na Orla. Sim, na Orla. Aqueles domingos ensolarados eram perfeitos para os manacapuruenses virem se refrescar no nosso tão querido lago. Famílias inteiras viam para cá. Fazia…

Diário das Minhas Oficinas de Leitura #Letras (Teoria e Prática da Leitura)

Oficina 1: 27 de setembro de 2016 Curta-metragem: Os fantásticos livros voadores do Senhor Lessmore - debate e análise Depois de assistirmos o curta, tivemos alguns minutos para debate e interação acerca do conteúdo do filme. O debate foi bastante proveitoso por conta das diferentes leituras e interpretações feitas pelos colegas acadêmicos. Particularmente o curta me trouxe a ideia de que através da leitura nos reinventamos, nos transformamos. A leitura nos traz vida nova e uma nova forma de ler e encará-la. Oficina 2: 28 de setembro de 2016 Movimento por um Brasil literário (leitura e curta-metragem: “A palavra conta”) O debate sobre o tema proposto foi bom. Alguns colegas relataram experiências de leituras e de como esta foi e é importante para sua formação como pessoa. E isso está relacionado ao conteúdo o documentário que traz a importância da leitura na vida das pessoas. Algo que me chamou bastante atenção no vídeo é que ele nos conscientiza de coisas que são indispensáveis para um soc…

Minhas Memórias de Leitura

Não são muitas as minhas recordações de leitura quando criança. Isso porque até meus sete anos de idade fui criado em localidades onde não havia escolas. No entanto, mesmo sem ter acesso ao mundo das estórias escritas no papel, eu fui apresentado, desde bem pequeno, às estórias que minha avó-mãe contava de forma oral. Ah, aquelas estórias eram tão boas de se ouvir! Lembro-me de que sempre antes de dormir, meus primos e eu, pedíamos pra ela nos contar uma de suas belas estórias. A nossa favorita e quase sempre escolhida era “A Moça da Terra Vermelha”. Lembro-me das vezes que ia visitar os parentes no interior e sempre ouvia boas estórias dos meus avós, tios, primos etc. Muitos “causos” eram contados – às vezes me davam medo. Os assuntos eram os mais variados, mas se falava principalmente dos acontecimentos da vida no meio do interior, do meio da mata. Coisas bem regionais. O tempo passou, eu cresci, e essas estórias ficaram só nas lembranças. Quando entrei na escola, com nove anos, tive …

ANÁLISE LITERÁRIA DO POEMA FAZ ESCURO MAS EU CANTO DE THIAGO DE MELLO

Amábyle Karoline
Irenilde Assis
Johnatas Silva
Lia Mara Veloso
Nayara Chargas Raimundo Nogueira

INTRODUÇÃO
 O poema Faz Escuro Mais Eu Canto, de autoria do poeta amazonense Thiago de Mello, é um texto de gênero lírico que expressa sentimentos e emoções, permeados pela função poética do autor, enfatizando as dores, lutas e alegrias da sociedade em seus versos. O poema é parte do livro que leva seu nome, publicado em 1966, durante o período de ditadura militar, no qual Thiago de Mello esteve exilado e escreveu esta e muitas outras obras literárias. Amadeu Thiago de Mello nasceu em 30 de Março de 1926, no município de Barreirinha no Estado do Amazonas. É um dos maiores e mais influentes poetas do país, reconhecido como ícone da literatura regional. Foi conhecido em 1975 internacionalmente, ainda no regime militar, como um intelectual engajado na luta pelos Direitos Humanos, com a publicação de algumas obras. A Obra Literária “Faz Escuro Mas Eu Canto” vincula-se na terceira geração do Moderni…

15 ou 90?

1. Em 2014, boa parte da IEADAM (em todo Amazonas) era 90 de corpo e alma. O 15, naquele ano, era um número “horrível”.

2. Na ocasião, o atual prefeito apoiou o 15 (candidato de seu partido), contrariando as lideranças da igreja e o “Projeto”.

3. Neste ano, boa parte da IEADAM (em Manacapuru) é 15 de corpo e alma e o 90 é que é um número “horrível’.

4. Em seu último comício (29), o atual prefeito disse que “se Deus quiser” Eduardo Braga, 15, assume o governo no próximo pleito e as coisas vão melhorar em Manacapuru.

5. Mas, e se Melo, 90, tentar a reeleição? Como a IEADAM se posicionará? Será 15 ou 90? A dúvida está no ar.

Bom exercício de cidadania a todos. Vote consciente. Deus abençoe você!

(Texto de Johnatas Silva)

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: TENDÊNCIA LIBERAL RENOVADA

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: TENDÊNCIA LIBERAL RENOVADA
Amábyle Magalhães Irenilde Assis Johnatas Silva Lauanda Menezes Raimundo Nogueira
RESUMO
O presente trabalho tem como objetivo mostrar alguns pontos e aspectos fundamentais da Tendência Liberal Renovada (Escola Nova).  A proposta é conceituar, contextualizar histórica, social e politicamente a aludida tendência pedagógica, bem como apresentar seu contexto no âmbito escolar, discorrendo de forma sintética sobre seus métodos de ensino-aprendizagem, apresentando também seus aspectos positivos e negativos.
Palavras-chave: Pedagogia. Tendência. Renovada

1 CONCEITUAÇÃO A tendência Liberal Renovada (Escola Nova) tem como objetivo principal preparar o aluno para exercer seu devido papel na sociedade, partindo das necessidades e interesses individuais dele, necessárias à adaptação ao meio social. Dessa forma ele deve imitar a vida, pois é parte da própria experiência humana. A tendência Liberal Renovada (Escola Nova), propõe um ensino que valorize a au…

Breve Análise do Conto MAIBI de Alberto Rangel

Leia o conto “Maibi” do livro Inferno Verde, de Alberto Rangel. Analise o texto e suas alegorias bem como seu contexto histórico observando os referentes aspectos do Realismo e Naturalismo. O conto Maibi, de Alberto Rangel, integra o livro Inferno Verde, escrito pelo referido autor em 1908.  O conto faz alusão as atividades sócio-econômicas vigentes na região amazônica no século XX, a saber: o ciclo da borracha. Ciclo que este que teve seu apogeu entre 1890 e 1920, levando cidades como Manaus e Belém a gozarem de tecnologias que algumas cidades do sul e sudeste não possuíam (luz elétrica, bondes, água encanada, esgoto etc.). Toda essa "glória" teve também seu lado "negro": a exploração ambiciosa e desenfreada da Amazônia e o trabalho escravo vivenciado pelos trabalhadores nos seringais. O texto é rico em figuras de linguagem, a começar pelo título "Maibi", que é uma metáfora para representar a Amazônia. O autor faz uso de recursos linguísticos que embelezam…

Vagas Lembranças

Tudo meio inerte ultimamente. As euforias do perigo e do desejo pelo proibido já passaram. Só restam vagas e superficiais lembranças de um sonho que foi interrompido pelo soar de um despertador. Que seja assim: sem mais noites em claro; sem mais brilho no olhar; sem mais expectativas frustradas a cada minuto. Sinto uma mistura de momentos. Nada de hoje, é claro. Faz tempo que isso reside dentro de mim.
Johnatas Silva
Em: 09.09.2016

Textos de uma Prova que Fiz no Decorrer do Curso

1. A partir das três características da Ideologia, problematize-a relacionando com o Conhecimento, Escola e Filosofia.
A ideologia, como é assimilada pela sociedade contemporânea, sendo apenas a manutenção do status de poder de uma determinada classe social, está indiscutivelmente entrelaçada à produção de conhecimento, ao papel e finalidade da escola e a análise filosófica dessas questões. Isso se dá porque o pensamento ideológico irá, direta ou indiretamente, afetar ou até mesmo intervir na forma como essas questões são concebidas, já que, olhando por essa perspectiva, ela manipula as massas, fazendo-as acreditar numa falsa realidade. A escola, dentro dessa visão, nada mais é do que um aparelho reprodutor dos ideais “elitistas”, ajustando os indivíduos à determinada condição social. Dessa forma, até a crítica e o pensamento reflexivo (filosófico) do que há por trás das ideologias presentes na sociedade moderna é, de alguma maneira, comprometida, uma vez que uma crítica a qualquer con…